Blog

7 dicas para evitar roubo de cargas e veículos para seus clientes

Quem trabalha com rastreamento e telemetria sabe que os dados de roubos de cargas e veículos no Brasil são altos. Em 2019, foram mais de 22 mil roubos de cargas no Brasil, sendo quase 8 mil casos só no Rio de Janeiro, somando R$ 386 milhões de prejuízo, segundo apontamentos da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).

Sabemos que dia a dia empresas sofrem com roubo de cargas e de veículos, por diversos fatores como estradas inseguras, falta de policiamento, crime organizado e às vezes até mesmo motoristas agindo de má-fé. Com tantos problemas, o Brasil é um dos países que mais sofre, ocupando o 7º lugar em roubo de cargas, segundo ranking realizado pelo Joint Cargo Committee, um comitê de cargas do Reino Unido.

Diante desses problemas, separamos algumas medidas imprescindíveis para seus clientes protegerem as frotas e impedir maiores prejuízos . Confira 7 dicas para evitar o roubo de cargas e veículos e compartilhe com seus clientes!

1. Treine seus motoristas

Primeiro de tudo, é muito importante ter a equipe de motoristas muito bem treinada. Com algumas orientações simples é possível evitar que roubos aconteçam. As dicas abaixo podem funcionar como um pontapé inicial para as empresas elaborarem um procedimento interno e treinar seus motoristas.

Exemplo de procedimento para motoristas

  1. Comunicar à Polícia Federal qualquer suspeita de veículos ou eventos estranhos na estrada, como perceber que está sendo seguido.
  2. Evitar entregar informações a estranhos, como a rota que você irá fazer e que tipo de carga está transportando.
  3. Evitar dar caronas. As caronas podem distrair o motorista e facilitar que este caia em algum golpe.
  4. Dê dicas de como reconhecer uma blitz falsa e o que fazer caso isso aconteça.
  5. Prestar atenção no momento de carga e descarga.

2. Tenha um plano de contingência

Se mesmo com os cuidados tomados sua empresa sofrer alguma tentativa de assalto, é importante ter um plano de contingência com um passo a passo de como seu motorista e equipe de gestão de frotas devem agir.

Motorista

Quando receber voz de assalto:

  1. Segurança em primeiro lugar: nunca reaja a abordagem dos ladrões e mantenha a calma.
  2. Se houver um botão de pânico, acione-o.
  3. Comunique o ocorrido à empresa imediatamente.
  4. Faça um boletim de ocorrência o mais rápido possível: Avise a Polícia Rodoviária Federal (número 191) ou Polícia Militar em caso de perímetro urbano (190).
  5. Aguarde suporte e orientações da empresa.

Gestor de frotas

Assim que receber o contato do motorista informando sobre o assalto:

  1. Converse com o motorista calmamente e o oriente a fazer um boletim de ocorrência prontamente;
  2. Acione imediatamente o bloqueador e demais medidas de segurança instaladas no veículo;
  3. Entre em contato com a seguradora passando as informações sobre o veículo.

Esse é um simples exemplo de ações que devem ser tomadas. Contudo, é importante que sua empresa tenha um plano de contingência personalizado, conforme sua realidade. E não se esqueça de treinar toda a equipe para saberem como seguir o plano corretamente.

3. Planeje rotas variadas

Fazer sempre o mesmo trajeto pode facilitar o trabalho de quadrilhas, que podem estar vigiando a frota, a fim de planejar o roubo. Por isso, variar as rotas, e de preferência de forma não padronizada, dificulta esse tipo de ação.

4. Use a tecnologia a seu favor

A tecnologia pode ajudar de diversas formas na prevenção de roubos ou minimização de prejuízos com assaltos. Seja por meio de rastreadores e bloqueadores e até botões de pânico instalados no veículo, a tecnologia é indispensável no segmento de transporte de cargas.

Normalmente a comunicação entre o veículo e a central é feita via sinal GPRS (3G/4G) em tempo real. Em caso de empresas que atuam em lugares remotos, onde não há sinal GPRS, uma boa alternativa para manter a comunicação em tempo real entre veículo e central é utilizar a comunicação via satélite com cobertura em 100% do globo terrestre.

5. Faça uso de bloqueadores

Como falamos acima, os bloqueadores são uma boa pedida para evitar prejuízos com assaltos. Ao identificar uma ação suspeita a central pode ativar remotamente os bloqueadores e evitar que o veículo continue funcionando. Mas atenção: Não use relés em vez de bloqueadores para baratear a operação. O barato pode sair caro e causar até acidentes. Para saber mais sobre o assunto, acesse o artigo 5 razões para você não usar relé como bloqueador.

6. Paradas em locais seguros

Boa parte das abordagens criminosas são realizadas em paradas, por isso oriente seus motoristas a parar somente em lugares conhecidos e seguros e ficar atento se há alguém estranho vigiando o veículo. Se possível, faça uma lista de todas as paradas recomendadas e peça para o motorista planejar onde vai parar antes mesmo de sair de viagem.

7. Fique atento à jornada do motorista

A Lei do Caminhoneiro (Lei 13.103/2015) impõe algumas regras ao trabalho dos motoristas, como não dirigir por mais de 5 horas seguidas, fazer um descanso de 30 minutos após esse período, ter pelo menos 1 hora de almoço, entre outras. Além de ser uma lei, essas medidas ajudam o motorista a ficar bem descansado e, consequentemente, mais atento a ações suspeitas de bandidos. Além disso, evita acidentes, reduzindo custos com esse tipo de perda.

Para saber se seu motorista está cumprindo as regras, uma boa alternativa é implantar medidas para fazer o controle de jornada do motorista, como a utilização de cartões RFID ou de biometria.

8. [DICA BÔNUS] Mantenha-se informado

A informação é uma grande aliada em qualquer segmento e negócio. Por isso, se você deseja estar à frente dos bandidos, cadastre-se para receber nossa newsletter e ficar por dentro das principais novidades do setor.